segunda-feira, 23 de novembro de 2015

COMO FOI












COMO FOI
  

Rogel Samuel


Eu o conheci em Katmandhu, Nepal, no dia 2 de Janeiro de 1994. 
Não esqueci a data, que é meu aniversário. Eu tinha chegado do Brasil para encontrar o Lama Lobsang Tenpa, que tinha estado conosco por dois anos e meio. Lobsang Tenpa morava no mosteiro de Kopan, nas montanhas. 
Minha viagem tinha sido um inferno. Era a primeira vez que eu ia ao Oriente.  Trazia três pesadas malas: a minha, a outra, cheia de oferecimentos para os Lamas  (tinha até quilos de pedras coloridas) e a terceira, dos livros do lama tibetano, que era a mais pesada. Saí do Rio e cheguei em Amsterdan no dia do natal. 
Uma confusão no aeroporto, pois era de noite, eu queria colocar as malas num porta-malas para não levá-las para o hotel. Triste idéia, pois o aeroporto é uma cidade, levei uma hora para descobrir onde era e arranjar as moedas pra poder abrir o armário. Cometi outro erro: meu sobretudo ficou ali. Quando cheguei do lado de fora a temperatura estava 
vários graus abaixo de zero. 
No dia seguinte fui taxado com uma grande multa de excesso de bagagem e viajei para New Delhi. Ali novos problemas: atravessei a "fronteira" do Aeroporto, pois tinha visto da Índia, e a polícia não me deixou voltar, já  que meu vôo para Katmandhu era no dia seguinte. Acontece que eu pretendia  ficar no Aeroporto, pois tinha pouco tempo para um hotel e o 
tráfego ali é terrível. Vi-me na rua, cercado de mendigos que pediam e de meninos que puxavam minhas malas e roupas, oferecendo-se para carregá-las (ou talvez sair correndo com elas, um para cada lado). 
Enfim descobri um canto no Aeroporto onde ficar. Tinha mendigos ali também. Trauma de quem mora no Rio (pois a Índia é muito mais segura). 
Outro problema: como ir ao banheiro, abandonando as malas? Não havia carrinho. Enfim descobri duas jovens americanas com quem deixei as malas. O Aeroporto de Nova Delhi melhorou muito, depois. 
A chegada em Katmandhu foi outra odisséia. Mas não conto. 
Naquele mesmo dia falei do meu hotel com o Lama Lobsang Tenpa pelo telefone, tomei um táxi e fui levar seus livros pela pior estrada que vi. Fiquei ali umas horas, o táxi esperando (era barato), e no dia seguinte mudei-me para o mosteiro de Kopan. 
Ali quase morri de frio. Muito abaixo de zero era a cabana onde me alojaram, sem calefação. Uma noite acendi todas as velas que pude, perto de mim. Mas algo me dizia que não era aquilo. Tive sonhos estranhos. Eu tinha de sair dali. 
Um dia o Geshe (Lama) disse para mim: vá, veja os lugares importantes lá fora. O abade me perguntou: "Você pensa em ficar aqui?" Enfim, eu era gentilmente expulso do primeiro mosteiro budista onde pretendia permanecer em retiro. 
Assim, no dia 2 de janeiro, abandonando minhas complicadas  malas  (se você  for ao Oriente não leve nada, apenas uma bolsinha ou mochila), desci a montanha num caminhão cheios de monginhos que iam a um pic-nic e faziam grande algazarra. Desci em Boudanath, perto da grande estupa de Gerukansor. Aluguei um quarto no famoso Lotus Guest House. Entrei numa loja, disposto a bisbilhotar. Era uma loja de artigos de Dharma: estátuas de Bhuddhas etc. Ali conheci o dono, que ficou meu amigo e que sempre reencontro quando volto lá. Ele me disse: "You must see the King of Sakyas!". ("Você tem de ver o Rei dos Sakyas!"). 
Eu não tinha a menor idéia de quem era aquele "Rei". Já que por ali há vários Reis,  pensei tratar-se de um deles. Subi a rua indicada pelo meu amigo. No mosteiro Tharlan, mil monges estavam do lado de fora, ao redor. 
Era um espetáculo muito bonito de ver. A  Gompa estava fechada, mas às vezes  a grande porta se entreabria e os monges se prosternavam, em reverência. Eu sentia que lá dentro estava alguém da máxima importância. 
Eu comecei a tirar fotos. Sempre gostei. Já ganhei até um prêmio nacional de  fotografia. Já tive laboratório em casa. Comecei a clicar, pra todos os lados. Havia uma portinha lateral aberta. Me deu uma curiosidade de ver lá dentro. Entrei devagar. Parei. Ninguém me dizia nada. Atravessei e... eis que me vejo dentro do grande mosteiro vazio e no seu centro, sentado em  meditação, na minha frente, Sua Santidade 
Sakya Trizin que se estava preparando para conceder a primeira iniciação da "Coleção de todas as sadhanas" (Dun Tab Kun Tub). 
Foi um choque. Fiquei estarrecido, imóvel. Olhou para mim, e me cumprimentou, com a cabeça. Naquele momento eu soube que aquele era o meu mestre, em pessoa. 
Fiquei dois meses ali, com ele, de manhã à noite, recebendo a Coleção das sadhanas, que estava começando. 
Foi assim. 
  

  

sábado, 24 de outubro de 2015

ESCLARECIMENTO

ESCLARECIMENTO

COMEÇAMOS A RECEBER ESSES ENSINAMENTOS NO DIA 2 DE JANEIRO DE 1994. ESTAVA NO INÍCIO (PÁGINA SEIS). 

A ORDEM DAS INICIAÇÕES FOI MODIFICADA POR SUA SANTIDADE E AS INICIAÇÕES DA ÚLTIMA PÁGINA SÓ FORAM OFERECIDAS AOS RINPOCHÊS.

FORAM, PARA NÓS, DOIS MESES E MEIO DE INICIAÇÕES DE MANHÃ E DE TARDE. 

CHOGAY TRIZIN RINPOCHÊ OFERECEU UM ENSINAMENTO EM TIBETANO. 

O KHENPO KUNGA WANGCHUK NOS TRANSMITIU POR DOIS DIAS O TANTRA DE TARA EM TIBETANO (apesar de ser em tibetano, eu ouvi integralmente). 

VAJRAYOGINI FOI DADA EM SEPARADO PARA OS POUCOS OCIDENTAIS. 

NO INÍCIO LAMA CHOEDAK TRADUZIU, DEPOIS O TRADUTOR FOI LAMA KALSANG GYALTSEN.

COLLECTION OF SADHANAS GIVEN BY HIS HOLINESSES SAKYA TRIZIN



COLLECTION OF SADHANAS GIVEN BY HIS HOLINESSES SAKYA TRIZIN

The Collection of Sadhanas Given by His Holiness the Sakya Trizin 


1. Year Venue Requested by 1976 Sakya Mangtro Gonpa, Ladhak, India Luding Ladrang 



2 1994 Tharlam Monastery, Bhouda, Nepal Mr. Thupten Gyaltsen 


3 1995 Sakya Center, Rajpur, India Rajpur Sakya Center 


It has more than 600 initiations and includes the bestowal of Nyingmapa as well as Sakyapa initiations.

CAPA


PÁGINA UM - INTRODUÇÃO


PAGINA DOIS


PÁGINA TRÊS